Hélia Correia

Hélia Correia (1949)

Hélia Correia (Lisboa, 1949)

Estreou-se na poesia com O Separar das Águas, em 1981, e O Número dos Vivos, em 1982.
A novela Montedemo, encenada pelo grupo O Bando, dá à autora uma certa notoriedade. Aliás, Hélia Correia revelou, desde cedo, o gosto pelo teatro e pela Grécia clássica, o que a levou a representar em Édipo Rei e a escrever Perdição, levadas à cena, em 1993, pela Comuna. Escreveu também Florbela, em 1991, que viria a ser encenada pelo grupo Maizum.
Destacam-se ainda na sua produção os romances Casa Eterna e Soma e, na poesia, A Pequena Morte/Esse Eterno Conto, Adoecer, o livro de contos Vinte Degraus e outros Contos ou na poesia A Terceira Miséria.
Recebeu em 2002 o prémio PEN 2001, atribuído a obras de ficção, pela sua obra Lillias Fraser.

Na Companhia das Ilhas participou na obra Poesia, Um Dia (Setembro de 2014).

 

Anúncios
%d bloggers like this: